13 dezembro 2005

Paisagem…

As vezes dou comigo a contemplar a minha vida através dos olhares que me rodeiam, não sei se penso em tudo, nem sei se sou feliz, mas sinto vincos risonhos nos olhos adormecidos, mas depois pergunto-me, porque fiz eu dos sonhos a minha vida.
Por viver assim deveria chamar tristeza, por saber sem surpresa que saudade que seja atenta ou não, é tudo o que eu sou, em cada sonho meu sou a minha própria paisagem e assisto a minha passagem e não ligo, alheia vou vivendo e virando as páginas da minha vida, anoto nas margens o que julguei que senti e sigo lendo o que vivi entre o luar e o desejo secreto que é só meu, porque é a saudade que faz viver e faz ouvir e ainda ver tudo o que foi, mas nunca o que será.

1 comentário:

Anónimo disse...

Não contemples! Vive! Com toda a intensidade possivel...

Ocorreu um erro neste dispositivo