26 fevereiro 2006

Inversos...

Apesar do frio que acordou este dia, o sol parece avançar para o mundo apesar de enrolado, e mesmo ao longe o seu calor é acolhido pela terra com humildade… as horas vão correndo lentas e as pessoas apressadas em busca das suas máscaras imaginadas ao longo das suas vidas… na verdade, hoje é apenas mais um dia, que como todos os outros que se atravessam na nossa vida, vai terminar aos poucos com a vaga de escuridão que anuncia a lua e abre o caminho para a noite… sossego absoluto…

20 fevereiro 2006

Vazio...

Vai chegando lenta a noite e o sentido deste dia esvaziando-se pelas sombras da lua...
Esta tranquilidade consegue esvaziar-me de todos os objectivos por concretizar traçados para este dia... nestes momentos fico com pouco para dizer, será por indiferença ou será isto ser feliz?...
Não estou cansada, nem confusa, nem com sono, apenas absorta de tudo e a tudo; as horas, ao barulho, aos compromissos e à vida...

15 fevereiro 2006

Recordo...

Recordo um tempo em que tomei como refém a lucidez, ao invés de me mover ao ritmo do dedilhar da minha loucura… Sempre fui demasiado racional mas não tenho medo da solidão… também não tenhas tu…. Deixa-te estar só, ou com mais alguém, nunca dês um fim, deixa-te escrever a primeira palavra, que o resto eu digo-te ao ouvido como um segredo…

I hide myself away in the dark I can't find my way in this hole This twisted life is so cruel I'm so sick I need to find her soul to save me

14 fevereiro 2006

Leva-me...

Leva-me contigo ao partires
inventa-me uma alma nova,
dá-me a tua mão firme e suave,
ilude-me, se quiseres,
Antígona, diana, Juno ou vénus...
Ainda que sejas só um sonho,
Nas noites de insónia, fictícias,
troquemos abraços e carícias,
imaginemos esta vida noutra esfera,
guardemos para nós esta quimera!
Onde quer que te encontres, neste instante,
não te esquecerei! ficarei à espera
ainda que seja só um sonho cintilante...

Só por hoje o sonho... amanhã voltarei à vida...

08 fevereiro 2006

Momentos...

Consigo sentir, finalmente o céu ardente sobre mim… estarei eu caindo ou levantando-me deste jardim de incertezas?
Esta agonia sem fim estará sempre presente nesta estranha dança com o meu destino?
A vasta eternidade toca a minha alma, enquanto a luz que me persegue se desvanece… lágrima de sangue alimentam o meu ódio por aquele lugar de dor, que fora antes meu destino…
Pelo meu desejo em choro… pelo teu desejo… que se transformem os espinhos em confiança, nestes momentos de dor escondidos…

05 fevereiro 2006

Paisagem...

As vezes a tarde é tão calma e o céu tão tranquilo, que a noite chega devagarinho, e sem que eu saiba, sigo dois caminhos lado a lado, com o mundo fiz parte da paisagem comigo fui sem ver nem recordar...
Eu amo tudo o que já foi e tudo o que já não é, amo a dor que já não dói e tudo o que a dor deixou, basta pensar em sentir saudade e o meu coração faz sorrir a chorar e a vida passa como as nuvens pelo céu e continuo para aqui a viver sem conseguir...

02 fevereiro 2006

Indecisão...

Há já algum tempo que não necessito de partilhar de tudo o que vive em mim, provavelmente por estar demasiadamente ocupada com nada… já não consigo confiar nas pessoas e essa desconfiança dá asas à minha imaginação... se pensar numa tábua de valores e olhar para o mundo que me rodeia, duvido dela… ai se eu pudesse desenhar o mundo perfeito às minhas exigências… seria cheio de nada de conflitos nem agressões à minha fácil vontade… mas não mereço tal confiança, não sei lidar com as situações fora de mim e são tantas as vezes que não me reconheço nos pensamentos e nem me identifico com o que digo querer…
Ocorreu um erro neste dispositivo