14 outubro 2008

Liana...

Apesar do ar frio daquela noite espessa e chorosa, ela revelava-se calma e apenas podia esperar o prolongar da melancolia…

Bastou apenas um silêncio falado para reparar naquela luz brilhante, parecia uma estrela cintilante... donde lhe viria tanto fulgor... rapidamente se inflamou e pude sentir a celeste fragrância que exalava em mil cores…

Os olhos ardentes eram capazes de queimar a alma…
mas quando o seu sorriso nasceu…
oh meu Deus, como seria possível espalhar tanta alegria, tanta força, tanta coragem, tanta paz…

Reinava o ar frio na noite calma, a minha alma flutuava livremente e sentia os momentos correrem como as folhas caídas no rio… senti o frio das horas a calarem os meus medos… e eu… naquele instante... desejei apenas que as horas dormissem e a noite jamais tivesse fim…

Sem comentários:

Ocorreu um erro neste dispositivo