23 janeiro 2014

Desejo...

Quando chega a hora dos mágicos cansaços,
entrego-me nos braços da saudade  e toda a noite sonho...
e vagamente acordo... 
os lábios finos abrem-se num tremor e os meus  olhos tristes sorriem... 
tenho a alma toda envolvida na carícia dolorida duma saudade...
Sonhando quando nas horas mágicas, o sol doirado morria conhecendo a noite que deixava, harmonias ancestrais beijavam nossos ouvidos, nas sombras do quarto diluía-se docemente o perfil do teu corpo.
Eu, em frágil caravela, empurrada pelo vento vagabundo, perdia-me no teu ser, olhavas para mim,  um olhar ora descuidado, ora desconfiado, mas sempre feliz.
Na escuridão completa, conseguia ver bem o teu rosto, no silêncio absoluto, ouvia bem a tua voz. 
Na aldeia muda e calma, ficávamos mãos dadas a sonhar, tudo a nossa volta era sentimento, amor e piedade, a noite que caia era alma que subia...

Sem comentários:

Ocorreu um erro neste dispositivo