10 novembro 2008

Liana...

E todo o tempo sonhei... e vagamente acordava, quando os teus lábios lindos, se abriam num tremor e os teus olhos sorriam... minha alma já estava envolvida nas tuas carícias doloridas da saudade que eu também já sentia…
Agora já conheço a velha luz da madrugada que te ilumina todos os dias quando te acorda, todas as ruas por onde passas já me são conhecidas, o movimento que te acompanha no passar das horas mortas, levando de braço dado a legião de imagens e sensações da vida vivida junto de ti, já nada me é estranho…
Reparas quando a luz pura do sol vem beijar a flor, e lhe acende mais a cor e lhe dá mais formosura? É assim que me acontece quando te vejo… o teu rosto lindo sem par, com esse tocante olhar, suave como lâmpada sagrada que rompe como a luz na madrugada, aconchego-me ao teu cândido rosto quando o anel da tua boca luzidia, vermelha como a rosa cheia de cor, em beijos loucos me abre a saudade e mil rosas se desfolham na minha face…

Sem comentários:

Ocorreu um erro neste dispositivo