12 outubro 2005

Desabafos...

Tão abstracta é a ideia de amor, que ao entreter os meus olhos nele, perco-os de vista, e nada fica em meu olhar. Dista do meu pensamento tão longemente, a ideia de ficar tão rente ao meu sofrer que minto, e sonho mesmo consciente de mim que sonho o que sinto sendo muito do sonho e pouco da vida. Não sei porque estou assim, os meus olhos iludem-me quando vejo o infinito, sinto-me alheia pelo pensamento.

Sem comentários:

Ocorreu um erro neste dispositivo