25 fevereiro 2009

Frágil...

Conseguirei de novo encontra-me ainda que a madrugada tarde em chegar… revejo-me no tempo e em lugar nenhum me encontro… vejo outra, sim, semelhante também mas não sou eu… vejo a minha boca e expressar um não e a dizer o sim da aceitação…
Talvez fosse melhor que o meu lado racional se apoderasse de vez de mim, me tomasse totalmente para que este sentimentalismo se evaporasse por completo… Orgulhosamente só? … Eternamente só? … E o que é a eternidade… não existe tal coisa…
Viverei enquanto me recordarem… quando fechar o último olhar chegará o esquecimento profundo e total da minha passagem por este mundo… virá uma maré cheia que apagará as minhas pisadas…
E os outros viverão muito mais em mim? Esses sim… Eternamente… que o meu coração embora feito depósito de amarguras e lembranças tristes… também é feito das águas que matam a sede… mas não a minha, nunca a minha…

6 comentários:

Catarina disse...

Julgo ser pertinente dizer que por mais porsa que se escreva, por mais poesia que se coloque nas nossas linhas elas são directas elas castigam a leitura e remete-nos para sentimentos, por vezes estranhos mas com o sentido que o autor lhe quer dar...
Não me é possível ler os teus texto e considera-los apenas textos...
Porque haveremos de rir quando nós apeteçe chorar, porque haveremos de partir quando nós apeteçe ficar, porque haveremos de sentir, quando nós apeteçe ignorar, porque haveremos de fazer se o que nós apeteçe é dizer?

Anónimo disse...

Hoje só venho dizer que te li, vejo no entanto uma constante amargura nas tuas palavras, não sei se o fazes por preferir escrever sobre temas tristes, para os outros... Pois poderá ser para ti uma alegria escrever sobre eles. Se não for o caso, então penso que será altura de fazer alguma coisa que contrarie esse sentimento de tristeza, de cansaço, de desilusão que tens vindo a manisfestar na tua escrita. Poderá ser a altura de ter que fazer, e não ficar só pelo dizer ou escrever...Mas de todo, não quero ser uma assombração para a tua escrita. Apenas uma luz no teu caminho...

Anónimo disse...

Já me ía esquecendo!...Espero que seja uma fase de alivio e não de suplicio nessa solidão escolhida por ti...

WL disse...

olha uma anónima oferecida!

Maria Papoila disse...

"Vamos aproveitar o concerto de Lisboa da Simone e Zélia Duncan para expressar o nosso apoio ao casamento entre pessoas do mesmo sexo usando o nó branco. Faz o teu e usa-o no concerto. Divulga entre os teus amigos".
(www.whiteknot.org)

Anónimo disse...

bom comeco

Ocorreu um erro neste dispositivo