15 março 2006

Ausência...

Nos meus momentos de ausência, os meus amigos passeiam-se pelas vielas escuras do meu pensamento... conversam baixinho... sussurros silenciosos... de quem falarão?... certamente falam de mim... nem eu sei, como podem eles saber?
Sinto o uivo a entrar pela janela entreaberta, desperta-me... que pena, preferia continuar a sonhar... sinto o pescoço pesado, dói-me, deve ser do peso da consciência, mas terei eu consciência? Provavelmente mais do que todos e menos que ninguém...

3 comentários:

pensamento disse...

...E porque não sonhar acordado?...
Excelente musica

Terreiro disse...

Acredito neste teu poema … “ausência”. Porquê?
Tão necessitados éramos um do outro, não conseguíamos caminhar sozinhos, não comíamos, não respirávamos não, não … agora estamos a passear a nossa “ausência” nestas vielas!
Quem diria … só nós!

Abraços

pensamento disse...

Neste momento já está actualizado o calendário da «fruteira»

Ocorreu um erro neste dispositivo