30 janeiro 2008

Trilhos...


Vagarosos, ténues, serenos… Vigorosos, inconstantes, impacientes… Os passos de cada um, em dias que passam, em dias que ficam, semelhantes entre si no vazio permanente… Um trilho traçado de incoerências inquestionáveis por essa ignorância que nos assombra quando um dia esquecemos aquele que realmente vive em nós e permanecerá ainda que por vezes, escondidos em recantos jamais rebuscados no passar dos anos, de uma vida… O nosso EU…
Somos talvez, o nosso maior pesadelo, um avivar constante do materialismo imune a todas as emoções e a vida passa por nós e vingativa não ousa sequer ponderar esperar…
Perde-se um olhar, um sentir… E nessa rotina cansativa perdemo-nos no tempo e no espaço melancolicamente sem coragem de agarrar o que poderá espreitar.

Trilhos desertos, onde a solidão se apodera de cada alma perdida…

1 comentário:

disse...

Gosto principalmente deste, porque me deixa a pensar e a reflectir sobre a verdadeira essência da vida, sobre o nosso "eu". O "eu" que em nós habita e que muitas das vezes é esquecido...

Continua :) Beijo*

Ocorreu um erro neste dispositivo